Café da manhã, Lanches, Post novo, Receitas, Sem glúten
comentários 2

Biscoito de castanha de baru

Quase todo domingo gosto de preparar algum lanchinho pra levar pro trabalho durante a semana. Assim não fico refém dos industrializados, tenho controle total dos ingredientes que consumo e de quebra vario minha alimentação. Uma hora é granola, outra cracker, bolinho, brownie e por aí vai.

O que mais faço são os biscoitos porque levam poucos ingredientes, fazem pouca sujeira e ficam prontos rapidinho. Perfeitos para fazer com aquela preguiça do final de semana hahaha. Esses aqui são de castanha-de-baru, uma castanha nativa do Cerrado, muito importante economicamente para algumas comunidades do interior de Goiás. Já falei sobre ela e fiz um brownie com essa belezinha aqui.

Assim com as outras castanhas, a de baru é uma oleaginosa rica em proteínas e minerais, podendo ser consumida crua ou torrada (Fonte: A arca do gosto: Brasil, Slow Food). Quando torrada tem sabor parecido com do amendoim. Você pode encontrar em lojas de produtos naturais sendo vendida a granel, ou embalagens fechadas, como a vendida pela Central do Cerrado.

Quem acompanha o blog há um tempo já deve ter percebido que gosto de usar ingredientes nativos do Brasil não tão conhecidos e difundidos. Fazer receitas com essa diversidade de produtos que os biomas brasileiros nos fornecem é uma forma de apresentar pra vocês as maravilhas que temos. Além de incentivar o consumo e favorecer as comunidades cuja renda depende diretamente das vendas.

Você vai precisar de…
Farinha de aveia (sem glúten, se necessário) – 1 1/2 xícara (150 g)
Açúcar mascavo peneirado – 1/2 xícara (70 g)
Castanha-de-baru – 1/3 xícara (60 g) – ver nota
Óleo de coco derretido (ou outro óleo vegetal) – 2 colheres de sopa (30 ml)
Água filtrada – 80 ml
Suco de limão – 1 colher de chá (5 ml)
Bicarbonato de sódio – 1/2 colher de chá

Como fazer…
1- Pique as castanhas-de-baru com uma faca ou em um processador, não precisa triturar muito, você deixar alguns pedaços maiores para dar textura ao biscoito.
2- Transfira para um recipiente e adicione a farinha de aveia, o açúcar mascavo, o óleo de coco, a água e o suco de limão. Misture bem até obter uma mistura homogênea.
3- Preaqueça o forno a 180 ºC.
4- Modele os biscoitos com as mãos formando bolinhas e depois achatando. Use uma colher de sopa para medir a quantidade de massa para cada um.
5- Disponha sobre uma assadeira untada com óleo, ou forrada com papel manteiga ou tapete de silicone, neste caso não precisa untar. Deixe pelo menos 3 cm de espaço entre os biscoitos, eles irão crescer um pouco quando assar.
6- Leve ao forno preaquecido por cerca de 25 minutos.
7- Retire do forno, vire os biscoitos e espere esfriar. Não se preocupe se estiverem um pouco macios, ao esfriar ficarão crocantes.
8- Transfira para um frasco de vidro fechado e armazene em temperatura ambiente, dura cerca de 5 dias.

Rendimento: 21 biscoitos

Nota: você pode substituir a castanha-de-baru, por castanha de caju, castanha-do-pará, nozes, amêndoas ou amendoim sem sal na mesma quantidade.

  1. Leila Lima says

    OLA! A CASTANHA DE BARU NAO DEVE SER CONSUMIDA CRUA. FONTE: FERNANDA DA GRANJA, NUTRICIONISTA FUNCIONAL. A nutricionista clínica e fitoterapeuta Vanderlí Marchiori, de São Paulo, alerta que a castanha do baru nunca deve ser consumida crua, pois possui substâncias antinutricionais, como taninos e fitatos, que são elementos capazes de alterar a biodisponibilidade de nutrientes, como o cálcio, por exemplo.

    O processo de torragem da castanha inativa essas substâncias, por isso, é importante salientar que só deve ser consumida torrada, para aproveitar todos seus benefícios e não causar nenhum transtorno à saúde. “Quando a castanha do baru é ingerida crua, causa intoxicação e pode levar a lesões na pele”, completa Daniella dos Santos Galego.

    • André says

      Oi Leila! Obrigado pela informação, imaginei que ela poderia ter substâncias antinutricionais quando crua, mas não sabia que ela pode causar intoxicação. No mercado não se encontra ela crua, somente torrada. Só mesmo quem colhe é que vai ter contato com ela crua.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *